PERSONAL | Four months

Pics by Kenzo Ney

Sorry dear followers, now I'll write only in Portuguese. See you later! *

PERSONAL DIARY. 4 meses se passaram, e hoje convivo diariamente com o frio, com temperaturas que nunca senti em toda a minha vida neste mês de Novembro, e que me fazem esquecer o verão de São Martinho que a minha pátria me oferecia. 
Acreditam que nem uma castanhinha saboreei? Nem o miúdo na escola! Por cá, na época do Halloween fazem uma interrupção no ano letivo, e entram de ferias por uma semana, mas o magusto é coisa que não merece atenção. E eu, nem a oportunidade de assar (ou cozer) castanhas em casa tive. Simplesmente porque nem casa tinha. Foram quase três meses de procura intensiva, de ilusões e chapadas na cara. No meu Portugal os senhorios anseiam por arrendatários, aqui é o oposto. Levamos muitas negas. Percebemos que os proprietários escolhem os seus inquilinos, percebemos que sem garra, força e persistência acabaríamos por descarrilar. Viver dois meses e meio num hotel não é fácil (e não, não estou a ser irónica!), ter de tomar o pequeno-almoço a horas "marcadas", depender de terceiros na limpeza daquele que tem sido o nosso lar, almoçar e jantar em restaurantes... Thanks God, por colocares no nosso caminho um verdadeiro restaurante português, no serviço e no preço! Depender de uma lavandaria industrial no país vizinho para lavar a nossa roupa, ter de sair obrigatoriamente para a rua para jantar, quando o que apetece na verdade é estar no conforto entre quatro paredes. É dificil. Pequenas coisas que acumulam, que mexem com o psicológico, que no fundo fragilizam qualquer pessoa. Eu estou diferente, mentalmente diferente desde que parti. Confesso que estou mentalizada da minha nova vida, do novo país, e de tudo o que quero atingir daqui para a frente. Voltar para Portugal esta completamente fora de questão, isso é certo. 

Felizmente o meu menino tem uma boa relação com a nova escola, nunca o tinha visto tão entusiasmado como na primeira semana. Ele gosta, ele adaptou-se bem, ele provou que os meus receios eram meramente receios de mãe. Confesso que andei uns tempos preocupada e massacrava-me a mim mesma, pela possibilidade de ele perder um ano, do medo de não se adaptar, de não gostar, de imensas coisas! É verdade, eu massacro-me. O peso desta mudança é enorme, e na verdade não é o factor "emigração", é sim tudo o que se passa posteriormente ou o que está em redor, ou mesmo a ausência. A ausência das minhas coisas, a frustração de estar dependente do pouco que temos connosco. De querer por vezes tomar um chá e não ter uma chávena, de querer um dos meus livros e não o ter, de querer vestir "x" casaco e não poder. "Eu não escolhi esta vida" tenho dito isto varias vezes entre soluços e lagrimas. Mas na verdade eu escolhi, na verdade eu coloquei-me à prova, e eu quero superar. E estou, e vou continuar a superar, porque já tive muitos motivos para desistir e não o fiz, porque eu sei que o meu lugar agora é aqui. Eu sei.

Tenho escrito sobre tudo isto, e guardado só para mim. Hoje estou tão forte, mesmo quando se da um passo em frente e de seguida três para trás! Passei por fases menos boas e desleixei-me nos objetivos a atingir. Mas neste momento, está tudo pronto para arrancar. A situação da casa esta resolvida. Yay! Muito em breve teremos as nossas coisinhas e o nosso gato Wang! Está previsto que cairá neve dentro de dias. Estamos a entrar na época natalícia que eu tanto amo e coisas boas (que têm sido muitoooo adiadas) estão para ser reveladas. Ah! A casa tem todas as paredes brancas, janelas brancas e também janelas no "tecto", cozinha branca e... é mesmo como eu gosto!!! Fiquem feliz por mim! Por agora, ficamos por aqui. Bom fim de semana a todos! Abraço enorme ***


23 comments:

  1. Gostei muito deste post. Palavras que motivam qualquer um.
    Força para todos os objectivos que ainda estejam por cumprir!

    www.varios-angulos.blogspot.com

    ReplyDelete
  2. Adoro quando escreves este post mais pessoais. Mostras como tens uma força descomunal e que todas nós temos que tomar como exemplo! Fico muito feliz por ti e quero que sejas muito feliz querida :) Beijinho

    ReplyDelete
  3. Que post tão pessoal e tão bom de se ler! Muita força Iv, o que não mata só nos fortalece, no teu caso ainda mais.

    <3
    http://zazzish.blogspot.pt/

    ReplyDelete
  4. Olá Ivânia

    Como estive afastada do blog por exatos 7 meses não sei em que país vc está morando. Acho que vou revirar seu blog para saber mais. Mulheres são curiosas e eu não fujo a esta regra. De qualquer modo, estou torcendo por vc.



    AMIGA DA MODA by Kinha

    ReplyDelete
  5. Acredita Ivânia, estamos todos a torcer por ti! Quando chorares e te sentires menos forte, lembra-te que tens muitas pessoas a desejar o melhor para ti :) boa sorte em tudo!

    ReplyDelete
  6. Minha querida, aquilo que te posso dizer de mais sincero: FICO MESMO FELIZ POR TI :)
    http://allaboutmakemehappy.blogspot.pt/

    ReplyDelete
  7. Fico muito feliz :) Acredito que seja uma situação muito difícil, ainda por cima deixando tanta coisa boa para trás, mas o futuro merece essa luta e vai correr lindamente! É isso mesmo, garra e queixo erguido! :)

    xx

    ReplyDelete
  8. Tem o seu lado menos bom, mas ando encantada com os espaços lindos daí...

    ReplyDelete
  9. Fico feliz que tenhas conseguido alcançar o espaço que tanto querias ♡ que sejas muito feliz nesta tua nova vida!

    beijinho grande
    ​​STYLE TRACES BLOG
    ST FACEBOOK PAGE
    ST INSTAGRAM
    ​​WORLDWIDE GIVEAWAY ENDS TOMORROW

    ReplyDelete
  10. Ivania eu cheguei a pensar q eras rica c tts almoços e jantares fora!sim pq fora do nosso pais isso sai caro, mais caro q uma renda!os senhorios n escolhem os inquilinos querem e uma garantia coisa q em portugal n têm.alugam as casas e mts vezes ficam sem o dinheiro de varios meses e nunca mais o veêm!sim e dificil mas no fim compensa!no inicio eu tb pensava assim, portugal so de ferias, mas ao fim de 2 anos (quase) n t digo a vontade q tenho d voltar e o mal q m faz estar ca(ate pq ja fui "apunhalada" pelos colegas de trabalho e n convivo c ngm da minha idade).axo q quem s adapta melhor sao mm as crianças, n tem as mm preocupacoes q os adultos e entendem-se smp, é impressionante. espero q dê td certo, até pela força q demonstras e o apoio q tens tenho a certeza q vai dar td certo!

    ReplyDelete
    Replies
    1. Pois nao sou rica, sao necessidades :) e fica mais caro se nao se souber fazer as coisas :) como deves saber muitas pessoas vivem em pensões e quartos.Tal como eu disse, levamos negas... e sim os senhorios escolhem. Não fui eu apenas a queixar me, sao algumas pessoas com quem me cruzei que também se queixam do mesmo. Em portugal também se paga caução, portanto nem é por aí. E sim foi dificil arranjar casa por três motivos: a localização (visto que tenho um miúdo na escola e não vou voltar a mudar lhe de escola), os preços absurdos e cauções que alguns pedem, e as negas que outros deram. Nao digo também que daqui a dois anos nao sinta imensa saudade de Portugal, mas isso é relativo... tem muita gente emigrada há anos que não tem o mínimo interesse em voltar. ;) Nem todas as crianças se adaptam infelizmente, por isso dou graças a Deus pela minha se ter dado bem! Ehehemuito obrigada pela opinião! Bisou

      Delete
  11. Ivânia, comecei a seguir-te desde que tua página foi indicada pela "marcas por amor", e depois que vi que estavas em Luxemburgo, achei o máximo, pois sigo vários blogs por gostar de moda e beleza, desde quando morava no Brasil. Pensei, puxa que bom ver alguém poder falar sobre estas coisas que adoro e estar aqui no Luxemburgo. Me identifiquei com teu post, porque amo o Porto, cidade que amo muito e onde, ao contrário de você, tenho certeza que vou retornar, nossa vida ainsa está lá. Gosto de Luxemburgo, adoro a organização, adoro o sistema de saúde daqui. Sim as saudades são imensas de Portugal, do resto das minhas coisas que estão lá a minha espera, mas a vida dá-nos oportunidades de mudar, de sonhar e lutar pelos nossos sonhos. E acho que ela está no momento sorrindo para você. Torço para que estejas bem e escrevendo tão lindamente mais posts como este. Bjs

    ReplyDelete
    Replies
    1. Wooow e eu também penso o quanto é bom ter alguém que me segue e esta no mesmo país que eu :) Temos que nos encontrar! A minha certeza de nao voltar a Portugal é para agora, para o futuro próximo, e por um bom par de anos ou mesmo "a vida toda", mas sinceramente haverá uma altura em que voltar vai ter todo o sentido! Talvez quando me sentir totalmente realizada e já nao importa o local onde vivo...

      Muito obrigada pelo apoio! :) *

      Delete
  12. Ivânia é preciso muita força e coragem para sair do país onde nascemos e depois é preciso perseverança para não desistirmos mesmo com todas as dificuldades. Fico feliz por tudo se estar a encarrilar e por estares feliz.

    ReplyDelete
  13. Boa sorte em tudo Ivânia! Gostei bastante de ler este teu post. Estou agora a terminar o mestrado e também estou a pensar em emigrar. No entanto estou mais inclinada para um dos países do Reino Unido. De qq das formas, é sempre bom ouvir as experiências dos outros para que não olhemos para a emigração de uma forma demasiado cor de rosa ou demasiado negra. Obrigada!

    ReplyDelete
  14. Ivania querida, eu ja te disse muitas vezes que te compreendo a 100%.Apesar de eu ter vindo para aGrecia por minha escolha e nao por trabalho, tenho feito muitas coisas ate chegar onde estou. Ja la vao 17 anos(!!!) que deixei Portugal, vivi em Creta e agora numa outra ilha com a minha linda familia.Agora nesta fase estou sem emprego(ha 2 meses) mas espero dentro em breve ter trabalho de novo. Os sentimentos quando se esta longe da Patria sao variados , mas se tens o amor do teu filho e do teu noivo, tudo mas TUDO vai dar certo! Eu sei que vais conseguir! Beijocas minha linda!

    ReplyDelete
  15. Ivânia já te visito há muito tempo e sei que és de fibra! Por isso muita força e muita garra nesta nova fase e sorte; também é preciso sorte :) Beijinhos grandes

    ReplyDelete
  16. Ola sou a Sofia, tenho 15 anos e mudei-me para França, no final de agosto para a familia estar toda junta e tambem porque decididamente porque portugal nao e o melhor sitio a ficar. A vida de emigrante não é mesmo nada facil... mas enfim. Sempre que escreves os teus desabafos identifico me sempre. As saudades de tudo o que tinhamos em Portugal são sempre muitas mas um dia tudo o que fizemos e lutamos num pais que não é nosso vai valer a pena.

    Muita força e beijinhos :)

    ReplyDelete
  17. Olá Ivânia! Já sigo o teu blog há um bom tempo. Revi-me completamente neste post, o meu problema não foi nem é a "emigração" e sim as coisas que se distanciam de nós por estarmos longe. Apenas sobra espaço para a saudade. Estou em Dublin há 2 meses a tentar a minha sorte. Há poucos dias atrás estava em baixo, cansada de batalhar por um emprego e um pouco de estabilidade... Mas depois passou-me e voltei a ganhar forças, talvez porque talvez tenha conseguido emprego. Só saberei amanhã.
    Eu também me escondi atrás das mesmas palavras "eu não escolhi isto, eu fui praticamente obrigada", mas é mentira, nós escolhemos sim e escolhemos tornar-nos mais fortes em prol de um futuro melhor ou pelo menos experiências de vida que possamos relatar quando formos velhinhas aos filhos e netos.

    Muita força e boa sorte com a tua nova vida!

    ReplyDelete
  18. Fico mesmo feliz por ti! Ultimamente ando desanimada com a falta de trabalho, bem que eu e o namorado nos queremos manter aqui na ilha, mas sinto que a vida não avança.
    Por mais que estejamos bem com o apoio dos pais, e em momentos me sinta entusiasmada com pequenas coisas como a casa que temos para arranjar, noutros momentos penso que a melhor solução seria deixar isto para trás. Enfim.. Vamos a ver!

    beijinho ;)

    ReplyDelete
  19. Achei este post bem sentido e identifiquei-me com várias das frases que escreveste. Não sigo o blog todos os dias mas passo por cá bastantes vezes, e hoje senti que foi mesmo um desabafo sentido, muito humano.

    Estou emigrada no Brasil, faz agora 5 meses.

    Também tive dificuldade em alugar casa pois não tinha fiador e porque ninguém me faria um seguros sem garantias. Felizmente consegui encontrar um compatriota, que já cá estava, com quem dividir casa, por isso não passei por tantos problemas como tu.

    Sei o que é sentirmos falta das nossas coisinhas, de precisar de algo que antes estava ali odos os dias e agora está a 10000 km de distância.

    Sei o que é estar entre imensa gente animada e não saber nem ter com quem falar, não ter aquelas pessoas que já nos conhecem e sabem o que sentimos.

    Não é fácil não, mas por agora concordo que não é uma boa opção voltar a Portugal. Não há oportunidades, não há trabalho, não há condições. Mas que tenho saudades tenho, e muitas. Há dias em que apetece fugir e abandonar tudo só para voltar a sentir um abraço de verdade, de alguém que nos ama.

    Mas com o tempo as coisas vão melhorando, acredito que sim.

    Também criei um blog (não entendo nem de longe tanto do assunto como tu) para fazer uma partilha e fazer os meus desabafos, por vezes é o único local onde posso falar.

    Dito isto, compreendo como te sentes, boa sorte para ti, é um passo em frente, tal como muitos jovens agora estão a dar. Força.

    Bjocas

    ReplyDelete
  20. Força Ivânia, a tua persistência vai fazer com que superes esta mudança!
    Beijinho :)

    http://finddyourway.blogspot.pt/

    ReplyDelete
  21. Ivânia sigo-te acho que desde que tenho o meu Blog, e confesso que quando escreves das tuas lutas, batalhas e barreiras as vezes identifico-me algumas vezes!!! "as minhas coisas" quando estou distante da minha família, do meu apt, e das minhas coisas, sinto-me muito triste! Mas olha aprendi uma coisa nesta vida...que cada situação que vivemos são lições de vida que aprendemos, e saimos delas bem mais fortes de quando entramos!
    Portanto dou-te a maior Força.... Melhores dias sempre se avizinham!
    Estou ansiosa em ver a tua casinha!
    Beijos....

    www.claudiaclaki.blogspot.com

    ReplyDelete